Sob a orientação do policial civil e professor do Curso de Direito da Universidade Estadual do Tocantins, Ailton Bispo, acadêmicos do 4º período do Curso de Direito da Unitins, campus de Dianópolis, visitaram, nesta quinta-feira (1º), a sede da 8ª Delegacia Regional de Polícia Civil de Dianópolis, no sudeste do Estado.

A visita teve como objetivo fazer com que os estudantes pudessem ter contato efetivo com a realidade policial e conhecer um pouco do trabalho que é realizado pela Polícia Civil durante todos os dias do ano.

Na chegada, os acadêmicos foram recebidos pela escrivã de polícia Cristyane Carvalho, que falou sobre a rotina policial.

Em seguida, os alunos visitaram as dependências da 8ª DRPC e foram recebidos pelo delegado de Polícia Civil, Eduardo Nunes, que falou a eles sobre a realidade prática de assuntos que são abordados em sala de aula.

Na oportunidade, o delegado Eduardo discorreu sobre a visão moderna do professor, delegado e autor de livros de direito, Henrique Hoffman, a respeito do Inquérito Policial, visando esclarecer e atualizar os estudantes sobre os conceitos modernos que se aplicam a esse procedimento policial que é de suma importância.

Por fim, o delegado Eduardo parabenizou a iniciativa do professor Ailton Bispo por levar os acadêmicos a saírem do ambiente formal, que é a sala de aula, e proporcionar aos mesmos a oportunidade de conhecer uma realidade prática, onde eles puderam ter uma noção a respeito das etapas que compõe o Inquérito Policial, desde a capa, passando pela oitiva das testemunhas e do investigado até a conclusão com o relatório da autoridade policial.

Ao final, os servidores da Polícia Civil expressaram a abertura da instituição a iniciativas que visem promover a segurança, a instrução e a aproximação com os futuros operadores do direito e a população em geral.

O professor, e também policial civil Ailton Bispo, ressalta que a visita à 8ª DRPC foi muito proveitosa e superou as expectativas propostas, uma vez que os acadêmicos tiveram uma aula diferenciada do ambiente da universidade.

“Estou muito satisfeito, pois foi uma experiência inovadora tirar os acadêmicos da sala de aula e colocá-los em contato com a realidade na unidade policial. Assim, os estudantes vão descobrindo seu perfil profissional na área jurídica, além de abrir a mente, extraindo o espírito da legislação processual penal e promovendo uma aliança com a realidade prática no tocante ao trabalho de investigação, que é realizado na delegacia de polícia”, concluiu.