O filho do treinador Caio Júnior, que morreu no voo da Chapecoense em novembro do ano passado, está indignado com a postura da atual diretoria do clube catarinense em relação à tragédia. O jovem Matheus Saroli escreveu uma carta ao jornalista Juca Kfouri para falar do descontentamento dele e dos demais familiares das outras 70 vítimas do acidente em relação a maneira como a nova diretoria do clube vem encarando as “homenagens” na viagem que faz pela Europa.

Juca resolveu publicar a carta do filho de Caio Júnior no blog que ele mantém no UOL. Leia abaixo:

Bom dia Juca,

Meu nome é Matheus, sou filho do Caio Junior.

Os integrantes da Chapecoense pós-desgraça estão vivendo momentos inesquecíveis, tendo oportunidades únicas em cima daqueles que se foram.

Viagem para Europa, visita ao Papa, jogo contra o Barcelona.

Sonhos do meu pai.

Quem está vivendo isso, não merece (com exceções óbvias).

Além disso, o clube, que agora é dirigido por pessoas completamente desligadas da tragédia, se beneficia diariamente da exposição de sua marca, gerando mais dinheiro do que poderia ser imaginado. Isso tudo sem nenhuma prestação de conta às famílias.

Eles criaram uma camisa nova em homenagem ao CLUBE  e não às vítimas — mesmo às vítimas já não seria algo nobre na minha opinião, visto que seria vendido e a renda seria destinada ao próprio clube.

Enquanto a delegação aproveita pelo verão europeu, por aqui não conseguimos nem ligar a TV.

Obrigado por suas palavras*

ENTENDA

*Matheus decidiu escrever a Kfouri após ler em seu blog um texto no qual o jornalista critica o presidente da Chapecoense, Plínio David de Nes Filho, que durante uma entrevista à rádio CBN, disse que o clube “não tem culpa alguma (da tragédia) porque quando se compra uma passagem para viajar o viajante não pode ser responsabilizado por um acidente.”

REPERCUSSÃO

Após a divulgação da carta sobre o descaso da atual direção da Chapecoense e também da “exploração do marketing da tragédia”, o clube se mobilizou e incentivou a criação de uma nova associação em prol das vítimas: a Abrivic (Associação Brasileira da Vítimas do Acidente com a Chapecoense).