Thereza Aparecida, uma senhora de 78 anos, foi agredida por um enfermeiro da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo na madrugada de domingo (16). O suspeito da agressão foi afastado da função.

A paciente foi submetida a uma cirurgia vascular na semana passada e estava se recuperando quando foi agredida por um enfermeiro. “Ele me xingou de tudo quanto foi nome e foi me batendo, bateu até cansar”, contou ela em um vídeo gravado por um dos filhos e disponibilizado ao G1.

“Minha mãe realmente foi espancada. Ver minha mãe com olho roxo, o rosto roxo, o queixo roxo, impossibilitada de se defender, uma senhora de 78 anos, é inadmissível isso”, disse Hedilaine Aparecida Garcia, filha de Thereza.

A direção do hospital informou que o funcionário trabalhava na unidade há 27 anos e nunca tinha recebido uma única reclamação. O nome do suposto agressor não foi divulgado. Ele foi afastado e o caso está sendo investigado

O superintendente do Hospital, Antonio Célio Camargo Moreno, contou que o enfermeiro “entrou e começou a ter alguma eventual discussão, alguma coisa, e acabou tendo uma agressão desagradável”. “Aparentemente foi algum tapa no rosto pelo que a gente está vendo na foto”, disse. A família, no entanto, afirma que não foi apenas um tapa.

Agora, a idoso precisa se recuperar não só da cirurgia, mas também das agressões, e os filhos têm medo de deixá-la no hospital. “Ela ficou com medo do dormir à noite, achando que ele ia voltar para matar”, disse Hedilaine.

Em nota, a assessoria de imprensa da Secretaria Municipal da Saúde informou que “na manhã deste domingo, após a troca do plantão, o médico constatou um hematoma no rosto da paciente Thereza de Jesus Garcia, internada na UTI da unidade”. “Questionada, a própria paciente relatou que foi agredida por um dos enfermeiros do plantão noturno. Diante da situação a unidade identificou e afastou imediatamente o funcionário.”

“Caso comprovada a agressão, serão tomadas as medidas cabíveis, como advertência, suspensão ou até mesmo exoneração do funcionário. Por fim, informamos também que a unidade está elaborando um relatório para notificar o Conselho Regional de Enfermagem (Coren SP) sobre o ocorrido.”